Fiesta:

        Bem, hoje falaremos da primeira aposta da marca do Oval no segmento de pequenos.O Escort nunca poderia mesmo concorrer nessa categoria, por dois motivos: 1º seu porte era maior que o de Uno, Gol e Corsa, e 2º: O preço desses carros era bem menor que o dos médios como o Escort. Vendo isso a Ford tratou de providenciar algo novo.Começou a importar o Ford Fiesta em fins de 1994 como modelo 95.Vamos à história desse carro.

        O Fiesta foi lançado na Europa em 1976, era uma opção mais compacta ao Ford Escort.Moderno, ágil, econômico e bonito o carrinho conquistou a Europa e foi vendendo como água. A robustez do carro era muito elogiada.O sucesso foi tremendo e em 1983 veio a segunda geração do carro, o MK-2. O Fiesta continuou indo muito bem em vendas, e em 89 como o “progresso não poderia parar” veio o MK-3(a versão que nós conhecemos como importada).O carro teve inúmeras versões e modelos na Europa. Em 93 o carro sofreu uma queda nas vendas devido ao lançamento da segunda geração do Opel Corsa.Naquele ano as vendas do Fiesta caíram 20%.Em 1996 era apresentado o modelo MK-4 e agora em 2001 foi apresentado o MK-5, mostrando que uma história de sucesso não tem por que parar. O Fiesta já vendeu até hoje cerca de 10.000.000 de unidades no mundo (numero estimado com base na somatória das vendas na Europa, América do Norte, América do Sul, Ásia e África do Sul).Bem, mas vejamos a história do carro no Brasil.

        Oferecido como importado a partir de 94(como modelo 95) chegava o Fiesta ao Brasil. Era então oferecido na versão LX 2 ou 4 portas com o motor Endura 1.3L de 60,1cv. De série trazia desembaçador traseiro, limpador/lavador do vidro traseiro, retrovisores com comando interno alem de regulagem de altura do banco do motorista, cintos traseiros de três pontos e preparação para som.Opcionalmente o carro dispunha de travas e vidros (apenas dianteiros) elétricos, rádio toca-fitas, ar-condicionado e direção assistida.No ano de 1995 ele vendeu mais que o concorrente direto o Corsa GL 1.4 disponível então apenas na versão duas portas. O Fiesta tinha a praticidade das então 4 portas. Perdia em vendas para o VW Gol e o Uno (ainda disponível em motorizações que não 1.0) Com o conceito de célula de sobrevivência bem desenvolvido o Fiesta mostrava ser um projeto tão acertado quanto o Corsa da GM.O Carro cumpriu as expectativas da Ford e vendeu o que ela esperava para 1995.Efetivada a meta a marca optou por produzi-lo aqui em 1996. Lançado em abril daquele ano o Fiesta nacional não era o mesmo MK-3 de 95, e sim já a nova versão o MK-4 seguindo uma tendência de igualdade entre Brasil e Europa que começava a acertar os passos.

        O MK-4 foi lançado em três versões com três motorizações distintas.O Fiesta L com motor Endura 1.0 de 52cv, o Fiesta CLX com motor Endura 1.3 de 60,1cv e o Fiesta CLX 16V com motor Zetec 1.4-16V de 89cv. Todos os modelos estavam disponíveis nas configurações duas e quatro portas.O modelo L primava pela simplicidade porem, diferente da concorrência tinha mais equipamentos dispondo de cintos dianteiros com regulagem de altura, acendedor de cigarros, ventilação forçada de 4 velocidades(embora seja difícil de acreditar alguns concorrentes ofereciam esse item apenas como opcional), preparação para som parcial(alto falantes e fiação básica), e hodômetro parcial.Era um carro simples, porém como todo o Ford era macio e possuía boas forrações com encaixes perfeitos.Embora fosse simples o Fiesta L era melhor que quase toda a concorrência perdendo apenas para o Corsa Wind, que ainda possuía um acabamento superior.Opcionalmente o L oferecia Ar-condicionado, ar-quente, direção assistida, limpador/lavador traseiro e retrovisor do lado direito (somado a retrovisores externos com controle interno). O Fiesta CLX 1.3 era o mesmo de 95 com roupagem nova, oferecia de série os mesmos equipamentos do modelo de 95, e opcionalmente oferecia dois pacotes, o primeiro com rodas de liga leve, rádio toca-fitas e alarme, e o segundo, somando-se ao primeiro oferecia os mesmos itens acrescidos de ar-condicionado, direção assistida, trio elétrico e duplo air-bag, alem de rodas do modelo CLX-16V. Falando no 16V esse Fiesta era um modelo único, equipado com o premiado motor Zetec, ele virou direto concorrente do então novo Corsa 1.6 mpfi com 92cv. O CLX 16V possuía um acabamento primoroso, inclusive pelas forrações acústicas para proporcionar maior silencio ao rodar.De série trazia todos os itens oferecidos no modelo CLX 1.3 como opcionais à exceção do Ar-condicionado, porem acrescidos de faróis de neblina e pára-choques na cor da carroceria. Completo o carrinho parecia um paraíso, oferecia tudo o que qualquer mortal poderia querer.

        O carro causou furor no lançamento porem inexplicavelmente logo virou comum demais aos olhos do povo. Na linha 97 a Ford passava a oferecer opcionalmente o duplo air-bag para o modelo L 1.0, visto que o Fiat Palio,mesmo na versão mais simples ED também disponibilizava o equipamento.

        No ano de 97 o Fiesta nos modelos L 1.0 e CLX 1.3 ganhou um apelido nada simpático, o de “motor Wallita”, por causa de uma característica do motor Endura que equipava esses carros. Esse motor era muito bom por seu torque em baixa rotação, o que o diferenciou do Gol 1000 e Palio 1.0 que eram extremamente fracos nesse item, porem por um problema de “acomodação” ele passava a “bater pino” com o tempo. Por isso o apelido de motor de batedeira. O carro passou o ano de 97 sem novidades e seu desenho foi ficando “sem-graça” para os consumidores visto que segundo a imprensa especializada o Fiat Palio possuía um design primoroso. Ainda nesse ano com o lançamento do Ford KA as versões 1.0L e CLX 1.3, o Fiesta perdeu ainda mais publico visto que o carrinho estava pegando.Nesse ano nasceu também a picape do Fiesta, a Courier, que logo foi reconhecida como a melhor picape da categoria por sua capacidade de carga ser grande e seu conjunto ser muito equilibrado,tanto em equipamentos quanto em mecânica.

        Na linha para o ano de 1998 foram incluídos novas cores e novos revestimentos. O Modelo CLX 1.3L era considerado um fiasco visto que o Palio EL 1.5L ou mesmo o Gol CL 1.6 ofereciam um motor mais possante.Somado a isso a Ford lançou também uma versão mais sofisticada do Fiesta 1.0L para concorrer com os populares mais luxuosos como Corsa Super. Nascia o Fiesta Class, com um visual mais refinado e interior mais caprichado (embora o do L também era impecável), o Class dispunha dos mesmos equipamentos do CLX com a vantagem de ter pára-choques pintados na cor da carroceria e calotas de desenho mais estiloso. Opcionalmente dispunha dos mesmos itens do CLX 1.3 apenas com a ressalva de não disponibilizar o retrovisor elétrico e rodas de liga-leve. Era o fim do Fiesta CLX 1.3L. Ficavam então o L 1.0, o Class 1.0 e o CLX-16V porem curiosamente ocorria um fato que empobreceu o CLX-16V. Enquanto o Fiesta 1.0L estava em plena evolução, com o lançamento do modelo Class, o modelo CLX-16V perdia a direção hidráulica e o trio elétrico que agora eram oferecidos apenas como opcionais.Isso foi uma arma para abaixar o preço do carro, porem não foi visto como vantagem uma vez que custava mais barato porem perdera itens importantes.O Trio elétrico sofreu algo ainda mais curioso, foi retirado o retrovisor elétrico ficando apenas disponível como opcional o duo elétrico (travas e vidros dianteiros).Isso nunca foi explicado pela Ford e por essas e outras pegou mal, afinal o carro que prezava por conforto estava aos poucos perdendo o titulo.

        No ano de 99 o Fiesta sofreu uma ligeira queda nas vendas, em especial no modelo CLX-16V visto que naquele ano o Fiat Palio subira absurdamente o numero de unidades vendidas e a VW apresentava o Gol de 3º geração. A Ford então viu que o desenho aparentemente frágil do carro (o que era completamente contrário à realidade do carro) era um dos principais motivos de suas baixas vendas. A marca começou a trabalhar então numa adaptar então o modelo para o futuro “face-lift” que o carro ganharia no fim do ano.

        No final de 99 era apresentado o modelo 2000, com inúmeras mudanças, segundo alguns concessionários da época o novo modelo foi batizado de MK-4-½ , a frente havia sido completamente modificada, ganhando ares mais “ferozes”, os pára-choques também ganharam ares mais envolventes e nos motores grandes modificações. Saiam de linha os motores Endura e Zetec, e entrava o motor Zetec Rocam, nas cilindradas 1.0L(com 65cv) e 1.6L(com 95cv), alem das vantagens de torque maior em baixa rotação esses motores ofereciam um consumo menor de combustível, sendo mais econômicos e com um diferencial.Essas motorizações foram desenvolvidos para rodarem 300.000km, uma inovação e tanto (e digamos ousada) para carros pequenos.Saia de linha a denominação CLX, junto com o motor 1.4 para entrar o GLX 1.6, enquanto que o L e o Class davam lugar ao GL e GL Class, respectivamente.A picape Courier seguiria as mesmas mudanças adotadas no Hatch.

        O ano de 2000 mostrou que o desenho modificado havia surtido efeito, o carro teve um aumento nas vendas e cada vez mais atraindo compradores dos carros da concorrência por seu conjunto geral ser muito equilibrado.

        No ano de 2001 o Fiesta vem melhorando em vendas, mostrando que o publico finalmente viu que a Ford se reergueu quase que completamente da era negra da Autolatina.O modelo ganhou a confiança dos consumidores e vem conquistando cada vez um numero maior de pessoas por vezes decepcionadas com os carros da concorrência que por vezes deixam a desejar.

        O que virá no Fiesta de 2002? Muita coisa, o sedan derivado do MK-4 está aí, e anda causando furor por onde passa, já o MK-5 promete ser um automóvel moderno, confortável e bem mais evoluído que o atual.Mais que isso, virá com um desenho agradável e robusto, com um acabamento ainda melhor do que o oferecido hoje e uma série de inovações tecnológicas.Uma coisa é certa para o Fiesta, ele não irá dizer “Adeus” tão cedo, e sem sombra de dúvidas a partir do ano que vem será uma ameaça e tanto para a concorrência que também virá renovada.VW Polo, novo Chevrolet Corsa serão rivais de peso, e só o futuro dirá quem há de vencer, mas sem sombra de duvidas é visto que o Fiesta lutará bravamente pelo titulo.

Abraços a todos.

Sérgio®.

Voltar